Justiça nega soltura de empresário condenado por matar mulher e filha de 8 meses no Ceará.

Marcelo Barberena foi condenado a 84 anos de prisão no julgamento mais longo da Justiça cearense.

O empresário Marcelo Barberena, condenado por matar a mulher e a filha de oito meses, teve o pedido de habeas corpus negado pelo Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE). Barberena foi condenado a 84 anos de prisão, no julgamento mais longo da Justiça cearense, pelo duplo homicídio e está preso desde 2 dezembro de 2020.

crime ocorreu em 23 de agosto de 2015. Marcelo estava em uma casa de veraneio com a mulher, Adriana Moraes Pessoa de Carvalho, 39 anos, que foi atingida com um tiro na cabeça, e a filha do casal Jade Moraes, de oito meses, foi baleada nas costas. Após ser preso, o acusado chegou a confessar o duplo homicídio, mas depois negou a autoria.

A decisão que negou a soltura foi do desembargador Mário Parente Teófilo Neto, que destacou que a decisão da juíza Bruna dos Santos Costa Rodrigues, proferida no julgamento ocorrido em dezembro de 2020, na Vara Única Criminal de Paracuru, precisa ser mantida.

“A juíza singular apresentou, a priori, argumentos idôneos para decretar a prisão preventiva do réu, em especial, pela periculosidade em concreto do paciente, visto que o crime fora perpetrado contra a própria esposa e filha, conforme decisão dos jurados”, diz um trecho da decisão do desembargador.

Oito anos de condenação

Família das vítimas abraçada após a decisão pela condenação do réu — Foto: Emanoela Campelo

Após cerca de 30 horas de julgamento, o mais longo da Justiça cearense, o empresário Marcelo Barberena foi condenado a 82 anos de prisão. A sentença foi proferida em sessão no Plenário 25 de Março, na Câmara Municipal de Paracuru, no Ceará.

A juíza Bruna dos Santos Costa Rodrigues determinou que o réu fosse preso imediatamente, de forma provisória, enquanto ainda cabe recurso. Ou seja, Marcelo Barberena pode recorrer da sentença, porém, já deve cumpri-la em regime fechado.

Por redação do Sobral Pop News, com informações do G1CE.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *